Alegria: uma causa emocional de doença?




Sempre pareceu estranho que alegria/euforia seja listada junto com as causas emocionais de doença na medicina chinesa. E no entanto, desde os tempos antigos vem sempre sendo mencionada como uma causa emocional de doença. Curiosamente, o caractere chinês para “alegria”  [xi] é o único dentre as emoções que não se baseia no radical “Coração”. O caractere Xi é baseado no radical “tambor” somado ao radical “boca”, ou seja, batendo o tambor e cantando em felicidade. A propósito, dois caracteres xi juntos são chamados de “dupla felicidade”e são um símbolo de casamento.
É interessante que, na lista de emoções como causas da doença, "alegria" está sempre no topo da lista, seguida pela raiva. Por exemplo, as emoções listados por Confúcio foram: alegria, raiva, pesar/tristeza, medo, amor, ódio, desejo. Estas são as emoções listados por Lao Zi: alegria, raiva, preocupação, tristeza, amor, ódio, desejo. É interessante que ambas as listas incluem "amor" como uma causa emocional de doença! Chen Wu Ze (1174) listou: alegria, raiva, melancolia, preocupação, tristeza, medo, choque. E estas tornaram-se amplamente aceitas como as "sete emoções" da medicina chinesa. Zhang Jie Bin (1624) lista oito emoções: alegria, raiva, melancolia, preocupação, tristeza, pavor/espanto, medo, choque [i].
Um estado normal de alegria não é, obviamente, por si só uma causa da doença, pelo contrário, é um estado mental benéfico que promove um bom funcionamento dos órgãos internos e suas faculdades mentais. O "Simple Questions" no capítulo 39 diz: "A alegria torna o Shen tranquilo e relaxado, isso  beneficia o Ying e Wei Qi que  faz o Qi relaxar e desacelerar".  [ii] Por outro lado, o capítulo 2 do "Simple Questions" cita:"O Coração ... controla a alegria, a alegria fere o Coração, o medo neutraliza alegria". [iii] Outras citações no Nei Jing se referem claramente a alegria como uma causa da doença. Por exemplo, o capítulo 5 do "Simple Questions" cita: "Alegria fere o Coração" [iv] O capítulo 8 do "Spiritual Axis" cita: "Alegria dispersa o Coração e priva-o da sua residência". [v]
Fei Bo Xiong (1800-1879) no "Medical Collection of Four Doctors from the Meng He Tradition", cita: "Alegria fere o Coração ... [isso causa] flutuação do Yang Qi e os vasos sanguíneos se tornarem muito abertos e dilatados...".[ vi]
Penso que a melhor (e provavelmente a única) maneira de entender "alegria" como uma causa emocional de doença é à luz das três filosofias principais da China, ou seja, o Taoísmo, o Confucionismo e o Budismo. Penso que a "alegria" é semelhante ao "desejo" e a "ânsia" no ponto de vista destas três filosofias. Das três filosofias,o Taoísmo e o Confucionismo são as principais, porque o Budismo não era tão difundido na China no momento em que a alegria foi considerada como uma causa de doença, ou seja, durante o Período dos Estados Guerreiros/ Warring States Period (476-221 aC).
Todas essas três religiões (ou melhor, filosofias), por diferentes razões, defenderam o controle emocional e a anulação da “ânsia” e do "desejo". Por exemplo, os Taoístas evitaram as relações sociais e defenderam "seguir o Tao", a "ausência de desejo" (wu yu) e a "não-ação" (wu wei). Eles sentiram que a alegria iria nos impedir de seguir o Tao, tanto quanto as outras emoções, assim como a raiva.
O grande Taoísta Zhuang Zi (370-301 aC?) fala sobre wu qing, ou seja, a ausência de sentimentos: "O que quero dizer quando digo que eles [os sábios] são wu qing (sem sentimentos) é que eles não ferem suas próprias pessoas com gostos e desgostos e são sempre suscetíveis ao que é natural, sem tentar prolongar a vida". [vii]
 

O antigo texto Taoísta Ye Nei (Treinamento Interior), mais velho que o Tao Te Ching/Dao De Jing, tem esta passagem interessante sobre as emoções:
A vitalidade de todas as pessoas
Inevitavelmente vem da sua paz de espírito
Quando ansioso, você perde esse fio condutor
Quando irado, você perde esse ponto básico
Quando você está ansioso ou triste, contente ou com raiva,
O Tao não tem lugar para se fixar/permanecer dentro de você
Amor e desejo: te acalmam!
Se você está tranqüilo, você o alcançará (o Tao)
Se você está agitado, você o perderá
[viii].
 De fato, para os Taoístas, a estimulação tem uma conotação negativa. Zhuang Zi fala concisamente: "Quando o desejo é profundo, a força do Céu é superficial." Isto significa que o desejo nos desvia da vitalidade do Céu agitando as emoções dentro de nós que nos fazem nos perder do caminho do Tao.
Os Confucionistas acreditavam que o verdadeiro "gentleman" – “cavalheiro” (um erro de tradução do termo jun zi que realmente se aplica a homens e mulheres) não é movido por emoções, pois essas encobrem a sua verdadeira natureza.
Eles usaram a imagem de uma lagoa com um fundo cheio de lodo. Se a água está tranquila, ela torna-se clara: se mexemos no fundo, a água torna-se turva. A lagoa é a nossa natureza humana que é naturalmente "clara", se estamos agitados pelas emoções, elas irão ofuscar nossa natureza humana.
Considere esta passagem de Xun Zi (um filósofo Confucionista, 312-230 aC): "É sempre assim que o Coração-Mente [Xin] é preenchido naturalmente, nasceu naturalmente e aperfeiçoa-se naturalmente. Se sua função for prejudicada, será certamente por causa da tristeza e felicidade, alegria e raiva, desejo e busca de lucros. Se pudermos nos livrar da tristeza e felicidade, alegria e raiva, desejo e busca de lucro , o Coração-Mente [Xin] voltará ao seu estado de impecabilidade. " [ix]
Os Budistas consideravam o desejo e a ânsia como a raiz do sofrimento humano. A cobiça (o desejo excessivo), o ódio e a ignorância estão no centro da Roda da Vida e a ganância é estranhamente simbolizada por um galo. Segundo eles, a nossa própria existência começa a partir do desejo e a ânsia de uma mente no estado de Bardo (o período após a morte e antes da próxima reencarnação): a mente deseja o calor de um ventre e reencarna. Mais tarde na vida, o desejo faz com que a nossa mente tente agarrar os objetos, como um macaco que balança de árvore em árvore (é por isso que a Roda da Vida Budista tem, entre outras, a imagem de um macaco em uma árvore).
Então, para nós no século 21 qual a importância dessa visão da "alegria", do "desejo" e da "ânsia"? Penso que essas emoções são na verdade as causas de doença, a qual chamaria no equivalente moderno de "superestimulação".  Acho que esta palavra, ao invés de "alegria", seria provavelmente a melhor tradução de xi. Realmente a nossa sociedade nos bombardeia com objetos de desejo, os quais criam artificialmente  o "desejo" e "ânsia” através da publicidade; por outro lado, fornece e promove substâncias que nos superestimula.
Estamos todos "superestimulados" pelo entretenimento, estilo de vida frenético, consumismo, café, chá, tabaco, álcool, TV, vídeo games, "drogas recreativas", as drogas medicinais, e estimulação sexual.

As principais drogas estimulantes são:
• Cafeína
• Nicotina
• Cocaína
• Anfetaminas
• Medicamentos como: Ritalina® (metilfenidato), Adderall® (anfetamina e dextroanfetamina), Dexedrine® (dextroanfetamina), Strattera® (atomoxetina), Focalin® (dexmetilfenidato), etc.
Curiosamente, os antidepressivos na verdade não são estimulantes e não costumam levar a "alegria". Minha experiência com pacientes depressivos fazendo uso de anti-depressivos é que esses remédios "embotam"  todas as emoções, de alguma forma eles eliminam a depressão, mas às custas do estado de alerta e do entusiasmo. Na verdade, alguns anti-depressivos são usados ​​para a ansiedade com algumas consequências.
Penso que o efeito de "embotamento" dos anti-depressivos é refletido no resultado do pulso, ou seja, um pulso “estagnado"  sem aquela “oscilação” saudável de um pulso normal. Não é um pulso em Corda, nem Tenso mas posso descrevê-lo como "estagnado" e "relutante". Enquanto a maioria dos autores considera os anti-depressivos para a melhora do humor e como estimulantes, eu não compartilho da mesma visão, e as qualidades do pulso descritas acima parecem confirmar isso.
A superestimulação, em um sentido amplo, como indicada acima, faz o Coração expandir/aumentar. Isto leva a estimulação excessiva do Coração, que com o tempo, pode levar a sinais e sintomas relacionados ao Coração e sinais. Os quais podem desviar um pouco das síndromes clássicas de Coração. As principais manifestações seriam palpitações, excitabilidade excessiva, insônia, agitação, fala em excesso/verborragia, e língua com a ponta vermelha. O pulso apresentaria tipicamente lento, levemente transbordante mas vazio na primeira posição esquerda. Pode parecer estranho que a "alegria" ou a superestimulação faz com que o pulso torne-se lento. É porque a superestimulação faz o Coração aumentar e, portanto, diminui a circulação (o choque faz o Coração diminuir).
 Os pontos que eu uso para a superestimulação são HE-7 Shenmen (Coração 7), P-7 Daling (Circulação-Sexo 7), Du-19 Houding (Vaso Governador 19), Ren-15 Jiuwei (Vaso Concepção 15).
[i]  Zhang Jie Bin (also called Zhang Jing Yue) 1982 Classic of Categories (Lei Jing), People's Health Publishing House, Beijing, p. 424. Publicado pela primeira vez em 1624.
[ii]  1979 The Yellow Emperor's Classic of Internal Medicine-Simple Questions, p. 221.
[iii]  Tian Dai Hua 2005 The Yellow Emperor's Classic of Internal Medicine - Simple Questions p. 38.
[iv]  Ibid., p. 38.
[v]  Spiritual Axis, p. 25.
[vi] Medical Collection of Four Doctors from the Meng He Tradition, p. 40.
[vii]  Ames RT and Hall DL A Philosophical Translation of the Dao De Jing, Ballantine Books, New York, 2003, p. 47.
[viii]  Roth H Original Tao, Columbia University Press, New York, 1999, p. 94.
[ix]  Lee J Xunzi and Early Chinese Naturalism, State University of New York Press, Albany, 2004, p. 35.

Texto original em inglês disponível em:

Tradução: Danielle Felippe

                           http://www.giovanni-maciocia.com/
                           http://www.maciociaonline.com/bio.html

  
Giovanni Maciocia vem de uma família de médicos da Itália, estudou no International College of Oriental Medicine na Inglaterra graduando-se em Acupuntura, possui mais de 37 anos de experiência em pesquisas e atendimento clínico em MTC e Acupuntura.
Escreveu sete livros de medicina chinesa os quais já foram traduzidos para nove línguas.
Criou dois tipos de fórmulas medicinais:  Os Três Tesouros (The Three Treasures) para o tratamento de várias queixas comuns e o Tesouro das Mulheres (Women’s Treasure) para o tratamento de queixas ginecológicas.
Seu nome chinês é Ma Wan Li que significa: “cavalo de dez mil milhas”. Ele lê chinês e tem acesso aos livros antigos e modernos de MTC (medicina tradicional chinesa), os quais  permitem que ele adpte as teorias orientais às condições ocidentais.
Ensina acupuntura e medicina chinesa internacionalmente desde 1974 e é um dos praticantes de acupuntura mais reconhecidos e respeitados da Europa. Ele é Professor Associado e Visitante da Nanjing University of Traditional Chinese Medicine. Atualmente mora e trabalha em Santa Barbara, Califórnia, EUA.


Nenhum comentário:

Postar um comentário